Projeto "O pinto vai à Escola" ajuda a divulgar as raças de galinhas portuguesas

Publicado em quinta, 25 julho 2019, 09:45

 

O dia 13 de maio foi a data de início de uma aventura fantástica “O Pinto vai à Escola”, projecto promovido pelo INIAV (Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária) e Amiba(Associação de criadores de raças autóctones de âmbito nacional)  em parceria com o programa Eco-Escola.

Com este projeto pretende-se proporcionar aos alunos uma experiência prática na produção animal: a incubação de 20 ovos de galinhas, das quatro raças autóctones portuguesas: Amarela, Branca, Pedrês Portuguesa e Preta Lusitânica, permitir um contacto direto com animais desenvolvendo um trabalho em equipa bem como reconhecer a importância da preservação de diferentes raças autóctones na sustentabilidade dos ecossistemas.  

 Na escola secundária do entroncamento recebemos a equipa do INIAV: Maria Inês Carolino e Elisa Morais, responsáveis pelo desenvolvimento do projecto, que entregou 20 ovos galados (10 ovos de pedrês portuguesa; 3 de preta lusitânica; 4 da amarela e 3 da raça branca) e todo o equipamento necessário à incubação dos ovos.  

Os alunos do 9º ano, turmas A e C, envolvidos no projecto, a sua professora de Ciências Naturais, Teresa Balaeiro e professores do Eco-Escola começaram por receber uma breve formação dada pela Dra Inês Carolina sobre o projecto, as características de cada uma das quatro raças de galinhas autóctones, os procedimentos de utilização da incubadora e cuidados e alimentação dos pintos após eclosão dos ovos. 

Após 21 dias de incubação, no dia 3 de junho começaram a eclodir os primeiros ovos e durante dois dias nasceram 16 pintainhos, 8 da raça Pedrês Portuguesa e 2 da Preta Lusitânica, 4 da raça amarela e 2 da raça branca que se mantiveram na escola durante mais uma semana, o que permitiu aos alunos observarem diariamente as evoluções no seu desenvolvimento.

Esta atividade foi do inteiro agrado dos alunos que abraçaram este projeto desde o inicio. Eles cuidaram, deram alimento e água, limparam o espaço,  trataram os pintos com muito carinho, deram-lhe nomes.  Gerou-se uma emoção enorme e as aprendizagens foram muitas. Durante o período que durou este projecto, o laboratório de Biologia (a “casa” dos pintainhos) foi o local mais visitado da escola.

Visitas: 166